19 novembro 2007

princípios inalienáveis

Tenho inúmeros princípios pelos quais rejo a minha vida e a minha forma de estar em sociedade. Um dos mais importantes é a liberdade. Na minha humilde opinião, é um dos que são absolutamente inalienáveis, dos que não podem ser, nunca, desnecessários, que não pudemos prescindir em situação alguma. Poderia, agora, embarcar numa dissertação do que é a liberdade e tudo aquilo que a mesma implica, os seus limites, enfim...

Mas, não foi para isso que decidi escrever hoje. Decidi fazê-lo por outra razão. Para dizer que, tal como prezo a minha liberdade, respeito, em muito, a dos outros. Agora não posso saudar ou concordar com aqueles que abusam desse mesmo conceito. Conceito esse que permite, se utilizado com ponderação, e aliado a questões como o respeito criar uma aura de dignidade a todos os que o utilizam correctamente. Por isso, não posso deixar de condenar todos aqueles que, mascarados por um filtro anónimo, partem para a ofensiva, seja ela pessoal ou de outro foro qualquer, perdendo toda a admiração, dignidade e respeito que me possam merecer. Valido e aceito todas as opiniões, devidamente fundamentadas, mesmo que com elas não concorde. Mas só se quem as defende tiver a dignidade e a coragem de dar a cara por elas.

Perspicácia, astúcia e audácia podem ser qualidades que não figurem da minha pessoa. Pelo menos é isso que algúem (não sei quem) pensa. Mas se assim é, seria bonito e de louvar que assumisse as suas palavras. A responsabilidade dos actos é sempre de quem os toma, mas das palavras também!

Nota: Vou continuar a permitir que os comentários feitos neste espaço continuem a ser livres de qualquer registo, pois é dessa forma que julgo ser o mais correcto. Não quero amordarçar o Domingo de Manhã! Por isso, a decisão de deixar o seu cunho ou de enviar, apenas, algumas larachas desprovidas de respeito e honra ficam ao critéio de quem o decidir fazer.

3 comentários:

o mesmo anónimo do post anterior, um pouco menos anónimo disse...

Antes de mais: saudar não leva acento no "u".

Ora bem, a liberdade pode ser exercitada de diferentes formas, anónima, assumida, etc. Se alguém opta por ficar anónimo é porque receia as repercussões, não lhe parece?
No entanto, compreendo as suas razões. Mas lembre-se que, publicando num espaço público, arrisca-se a que as pessoas o elogiem e critiquem; mais ainda quando é jornalista e não sabe escrever.
Tenho, no entanto, que reconhecer que tem razão no que diz respeito a "larachas despropositadas".
Perspicácia é um adjectivo que se aplica a muitas coisas menos aos dedos e na altura não o referi. Mas também não foi perspicaz ao entendê-lo, dando-me razão. Creio que queria dizer celeridade ou desenvoltura.

Cumprimentos respeitosos, honrosos e cordiais. Mantendo todas as afirmações anteriores.

Anónimo disse...

Esta coisa dos anónimos que se mantêm convictos porque são anónimos até que é interessante !

Ali, seguros de que tudo é deles, afinal são anónimos.

Pois bem, caro anónimo (será assim que se escreve?? Agora fiquei assustado com a possibilidade de estar a controlar também a minha escrita...nunca se sabe), deixe-me dizer-lhe que para aráuto da escrita, tão solicito que foi em corrigir o autor do blog, esqueceu-se foi de ler a sua última mensagem: "Mas lembre-se que, publicando num espaço público..."

Esta foi de génio ! O que virá a seguir ? O mítico "subir a subida" ou o sempre enigmático "projectos para o futuro"?

Olhe, já agora...apresento-me: também sou Anónimo! Muito gosto ! Um dia havemos ainda de dominar o Mundo !

o anónimo dois anónimos atrás disse...

Caramba, "arauto" não leva acentos. Chamem pela palavra para ver onde está a sílaba tónica.