01 abril 2009

fui eu que comprei a ilha

sem saber o que fazer ao dinheiro, disse ao meu consultor financeiro para comprar a ilha do rato, um pedaço de terra em pleno estuário do Tejo.

nem sei bem quanto paguei por tal coisa. mas o próximo passo é tornar aquilo numa monarquia absolutista e mandar fechar as fronteiras. o problemas é que, mesmo em ditadura, há mais de 9 milhões de portugueses que já me pediram para lá viverem pois já não aguentam estar em Portugal. 50 por cento tentou emigrar mas desistiu por falta de condições económicas para comprar o bilhete de autocarro para Madrid. felizmente, para chegarem à ilha do rato só têm de apanhar o cacilheiro junto ao Terreiro do Paço. o bilhete ronda 1,5 euros.

perante tamanha adesão, os procedimentos rigorosos de selecção têm início no domingo de Páscoa ao final da tarde. agradece-se que tragam um farnel para enfrentar as filas de espera. está prometido um sistema rápido e simples, nada tipo Simplex!

bem-vindos ao novo paraíso!

1 comentário:

meio limao disse...

imaginação fértil, a tua :)